segunda-feira, 13 de agosto de 2012

O ferro de Moncorvo continua a dar que falar...

Como é sabido, muito se tem falado, nos últimos anos, e de novo, do minério de ferro de Moncorvo. Dura isto há mais de 100 anos. Depois da 1ª vaga de expectativas, no final do séc. XIX-inícios de XX, houve uma 2ª vaga durante o "Estado Novo" (as únicas parcialmente concretizadas, no pós-guerra, através da Ferrominas), face à exploração defendida pela corrente industrialista do regime, mas de escasso (ou nulo) alcance quanto à concretização do aproveitamento através da siderurgia nacional. Definhando a exploração ao longo dos anos 60, seguiu-se novo momento de expectativas nos finais dessa década (com os alemães da Minacorvo, e depois com a Ferrominas de Champalimaud). Já no pós-25 de Abril viria a ocorrer uma intensa e nova grande fase de expectativas, tendo por base o que então se chamava o Projecto Mineiro de Moncorvo, internacionalizado na designação "Iron Ore Moncorvo Project" (expectativas goradas em 1985-86, como se sabe - ver o post anterior, neste blogue - com o chumbo do referido projecto, face à recusa de financiamento por parte da CEE).
Mais recentemente, após a aquisição, pela MTI, dos direitos de prospecção e pesquisa de depósitos minerais de ferro na serra do Roboredo/cabeço da Mua em terrenos, na maior parte, propriedade da EDM (que integrou as antigas concessões da ex-Ferrominas), conforme aviso publicado no D.R. em 4.10.2007, e após nova fase de trabalhos de campo, realizados desde 2008, gerou-se uma nova fase de altas expectativas, que atingiram o seu ponto alto em Outubro/Novembro do ano passado (2011). Sucedeu-lhe, entretanto, uma maré de dúvidas, que vai tendo fluxos e refluxos.
O novo "banho de água fria" parece ter ocorrido há pouco mais de um mês, quando o gigante da exploração mineira "Riotinto" desistiu da intenção de investir nas minas de Moncorvo (ver: http://economia.publico.pt/Noticia/rio-tinto-desiste-do-ferro-de-moncorvo-mas-podem-aparecer-outras-interessados---1554330 ).
Com tudo isto, não é de admirar que, por estas paragens, o descrente S. Tomé tenha destronado Santa Bárbara como padroeira dos mineiros...
.
No entanto, a discussão persiste, e até um antigo responsável da ex-Ferrominas, o Engº. Santiago Baptista, em recente artigo de opinião (in "Expresso", 11.08.2012), saíu a terreiro, defendendo a exiquibilidade de soluções técnicas para o transporte e tratamento do minério, acreditando, no entanto, que o assunto esteja ainda a ser tratado a nível governamental, ainda que à "porta fechada".
Aqui fica mais este artigo de opinião - mais uma acha para a fogueira das expectativas:
(clicar sobre o recorte para o AMPLIAR)

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

(Capa de artigo editado em separata)
Foi editado em separata o artigo de Nelson Campos intitulado "A Odisseia do Ferro do Moncorvo, até à Ferrominas", inicialmente publicado na revista dos Antigos Alunos e Amigos do Colégio Campos Monteiro, em Outubro de 2010 (sob a coordenação de Rogério Rodrigues).
Neste artigo, o autor (membro da Direcção do PARM e organizador do MF&RM na sede do concelho), traça resumidamente o percurso da história das expectativas quanto à exploração do minério de ferro de Moncorvo, desde o século XIX. Passada a fase das ferrarias antigas (em que houve metalurgia do ferro na região), que teve os seus epígonos na Chapa Cunha (no termo do antigo concelho de Mós, hoje freguesia de Torre de Moncorvo), o autor situa o início dessa "história das expectativas" nos anos 70 do século XIX, quando começa a "corrida às concessões", tendo-se chegado mesmo a constituir uma Companhia Exploradora do Ferro da Serra do Roboredo. Desta fase resultou um relatório técnico (publicado em 1880) pelos engenheiros de minas Pedro Victor da Costa Sequeira e Lourenço A. Pereira Malheiro. Esse documento parece ter inaugurado uma extensa bibliografia e é a pedra de toque de todas as expectativas ulteriores. Depois, sobretudo a partir dos anos 90 do séc. XIX, é todo um corropio de geólogos, engenheiros de minas, empresas (inclusive multinacionais) de exploração de minérios, entrando também o ferro de Moncorvo no discurso político. Não faltou quem sonhasse, entre Moncorvo e o Pocinho (ou Foz do Sabor), uma espécie de pequeno Ruhr em Portugal. Tudo isto ainda nos finais do regime monárquico. A navegabilidade do Douro para transporte dos minérios de Moncorvo para Leixões é defendida pelo Engº. Ezequiel de Campos, em 1912. Este técnico (e político da 1ª República), depois de defender a concentração e loteamento do minério de Moncorvo em Leixões, com aplicação da electricidade no processo metalúrgico, vai posteriormente defender que essas operações se realizassem na zona de Lisboa (como viria a acontecer com a Siderurgia Nacional).
O primeiro banho de água fria nesta primeira fase de grandes expectativas parece ter sido o relatório da Schneider & Cie. (grande empresa de capitais franceses ligada à exploração mineira), que concluíu, nos anos 20 do século XX, depois de vários estudos e ensaios em amostras, que o minério de Moncorvo era de difícil aproveitamento industrial, com obstáculos ao enriquecimento, tendo em conta o conhecimento da ciência dos minérios e as tecnologias siderúrgicas de então. Ressalvava-se, contudo, que as reservas de Moncorvo poderiam constituir, mesmo assim, "uma vantagem económica estratégica em conjunturas de esgotamento" (citando Jorge Custódio, in "Moncorvo - da tradição à modernidade", Actas de encontro realizado em Fevº. 2007, ed. CEPESE, 2009).
Apesar desse parecer, as pesquisas e sondagens no terreno (serra do Roboredo e cabeço da Mua) continuariam, sobretudo por iniciativa de um súbdito do império austro-húngaro, Wilhelm Wakonig Hummer, durante a 1ª e até ao início da 2ª Grande Guerra. Constitui-se nessa altura a Companhia Mineira de Moncorvo, que, muito mais tarde, no pós-guerra, anos 60, daria lugar à Minacorvo.
Entretanto, nos inícios dos anos 50, constituíu-se a Ferrominas Ldª., fundada pelos engenheiros Pedro Amor Monteiro de Barros, Professor do Instituto Superior Técnico, e António Branco Cabral, director-geral dos Caminhos de Ferro (e professor convidado do IST). - Na verdade, a laboração da Ferrominas Ldª., com amplo investimento no sector da Carvalhosa, constituíu o único momento de exploração industrial efectiva das minas de Moncorvo, entre 1951 e 1960. Isto explica-se pela alta dos preços dos minérios no pós-guerra, durante a reconstrução europeia, e foi, de certo modo, sol de pouca dura... A partir de 1959 começam a decair as encomendas, e a Ferrominas passa a (sobre)viver com grandes dificuldades, sobretudo depois da exploração em escala das grande minas brasileiras de Itabira, onde os empórios europeus do ferro e do aço se passam a abastecer. Os handicaps do ferro de Moncorvo eram por demais conhecidos, mas, mesmo assim, nova fase de expectativas se abre, com as pesquisas dos alemães (Minacorvo) no cabeço da Mua (2ª metade dos anos 60), com os ensaios realizados numa lavaria-piloto construída na zona, e outros, mais complexos, realizados na Alemanha. Resultados pouco satisfatórios, que ditaram o desinteresse da Minacorvo. Todavia, António Champalimaud, que havia comprado entretanto a maioria das acções da Ferrominas, ainda intentou a exploração, com realização da concentração dos minérios na região, tendo em vista uma fonte segura de matéria-prima para a Siderurgia (Seixal), de que era o principal detentor. Dada a grande distância de Moncorvo ao Seixal, pouco foi o minério que para lá foi, e quanto à concentração e enriquecimento do minério à boca da mina, dados o elevado investimento, nunca se chegou a realizar. Com o 25 de Abril de 1974, a Ferrominas foi intervencionada (passou a E.P. - empresa pública), tendo-se retomado as ideias que pairavam desde Champalimaud. A 2ª metade dos anos 70 e início da década de 80, foi o tempo das últimas grandes expectativas. A concessão da Mua foi adquirida pela Ferrominas E.P., tal como outras, reunindo-se todo o couto mineiro nas mãos da empresa pública, tendo em vista a exploração em grande escala. É nessa altura que se organiza o Museu do Ferro da Ferrominas (no bairro mineiro do Carvalhal). Com base nessas expectativas, acabaria por se desenvolver a povoação do Carvalhal, ao lado da E.N. 220 e do entroncamento para Felgueiras. O novo banho de água fria surgiu em 1986, com o chumbo do projecto mineiro de Moncorvo, até aí considerado estruturante para a economia portuguesa. A decisão governamental seguiu-se à inviabilização, pela C.E.E. (Comunidade Económica Europeia), com cujos apoios se contava, no âmbito do 1º QCA (Quadro Comunitário de Apoio). Ainda durante o processo de adesão e após a conclusão dos estudos técnicos e económicos, foi Moncorvo visitada por altos responsáveis políticos, como o então Presidente da República, general Ramalho Eanes, e o então primeiro-ministro dr. Mário Soares, sempre com o projecto mineiro em agenda, aumentando ainda mais as certezas da população. Chumbado o projecto, logo de seguida acabaria por se liquidar também a Linha do Sabor, que esteve sempre na base da questão mineira, desde o início do século XX.
Em suma, o artigo conclui que a história do minério de Moncorvo, nos séculos XIX-XX, foi acima de tudo uma história de expectativas, e que tudo isto gerou uma imensa literatura, tanto técnica, como jornalística e política. Se não se pode dizer que a Montanha tem parido um rato, quase que assim é.
---
O artigo é dedicado "à memória do Engº Gabriel Monteiro de Barros, moncorvense adoptivo, que sonhou para a região um futuro de progresso baseado nas minas de ferro".

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

sábado, 25 de setembro de 2010

Museu do Ferro & da Região de Moncorvo

Em virtude do site do Museu do Ferro & da Região de Moncorvo se encontrar temporariamente indisponível (em reestruturação), informamos todos os interessados que poderão encontrar notícias sobre actividades do Museu, no blogue do PARM (http://parm-moncorvo.blogspot.com/)

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

ERIH Annual Conference 2010




27th to 29th October 2010 in Barcelona, Spain

"INDUSTRIAL HERITAGE TOURISM - EXAMPLES OF BEST PRACTICE"

REGISTRATION IS NOW OPEN UNTIL 30th September 2010

Dear all,
Registration for the ERIH Annual Conference 2010 which takes place on 28th and 29th October in one of our
Spanish Anchor Points, the Museu Nacional de la Ciéncia i de la Tècnica de Catalunya (mNACTEC) in
Terrassa near Barcelona is now open.
The subject of this year’s conference is “Industrial Heritage Tourism – Examples of Best Practice". The aim of
the event is to increase awareness of the wide range of activity and good practice that is taking place in this
field across Europe. As the conference is being organised jointly with the TICCIH Industrial Heritage Tourism
Section it will also feature examples of good practice from across the world.

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Doações recentes ao Museu do Ferro & da Região de Moncorvo

No contexto da inauguração da exposição da "Ferrominas 1957", que se encontra patente no Auditório do Museu do Ferro & da Região de Moncorvo (MF&RM), foram doados diversas peças e documentos:

- Os amigos do Museu, Dra. Maria de Fátima Goulão da Costa Brito Cabral e o Eng.º João Pedro Monteiro de Barros Cabral doaram ao Centro de Documentação do Museu do Ferro & da Região de Moncorvo mais um conjunto muito assinalável e importante de livros e publicações periódicas (cerca de uma centena) relacionados com a geologia e mineração, que pertenceram aos Eng.os Pedro Amor monteiro de Barros e Eng.º Gabriel David Monteiro de Barros, assim como um conjunto de várias fotografias da autoria do Eng.º João Pedro M. Barros Cabral, relativas maioritariamente às minas de Ferro da Moncorvo.

- O Sr. Manuel da Cruz Rebouta, antigo trabalhador da Ferrominas, doou ao MF&RM o seu equipamento completo de soldador, que se encontra na exposição supra referida.

- O Sr. Teodorico da Silva Carriço, antigo chefe de oficinas na Ferrominas, doou ao MF&RM, um malho, designado na gíria dos mineiros de "abono de família".

- O Sr. Manuel Rodrigues da Costa, antigo trabalhador da Ferrominas, ofereceu ao MF&RM, duas amostras geológicas.

A todos, os nossos agradecimentos pelas doações e ofertas, que enriquecem e dão um contributo essencial ao Museu do Ferro & da Região de Moncorvo. Proximamente daremos uma descrição mais pormenorizadas destas doações.

Colecções e Museus de Geologia: Missão e Gestão

O Doutor José M. Brandão ofereceu no passado dia 10 de Agosto à Biblioteca do Centro de Documentação do Museu do Ferro & da Região de Moncorvo a publicação Colecções e Museologia: missão e gestão, recentemente editado pelo Museu Mineralógico e Geológico da Universidade de Coimbra e Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência.

Esta obra reúne a maioria das comunicações apresentadas na conferência internacional com o mesmo nome da presente publicação, que teve lugar em Coimbra, a 5 e Julho de 2010. Consta de 49 artigos científicos, de diversos especialistas portugueses e interncionais, focando museus e colecções geológicas de Portugal, bem como outros países europeus e sul-americanos, abordando aspectos diversificados da museologia e geologia, enquadráveis em dois grandes painéis temáticos:
1 - História, organização e papel científco das colecções e museus geológicos; 2 - Interpretação, divulgação e educação em Geociências.

Os nossos agradecimentos ao Doutor José Brandão, que é um dos editores da publicação, por esta oferta que muito vem enriquecer a biblioteca do CEDOC/MF&RM.

A publicação encontra-se disponível para consulta no Museu do Ferro & da Região de Moncorvo.

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Exposição "Ferrominas 1957"




Será inaugurado no próximo dia 7 de Agosto de 2010 (Sábado), no Auditório do Museu do Ferro & da Região de Moncorvo a exposição 'Ferrominas 1957'.

Esta mostra baseia-se num conjunto de fotografias a cores que faz parte da colecção fotográfica do Centro de Documentação do MF&RM/Fundo Eng.º Gabriel Monteiro de Barros, doação do Eng.º João Pedro Monteiro de Barros Cabral.
Aqui se apresentam diversos aspectos da laboração das minas de ferro de Moncorvo no referido ano de 1957, com particular destaque para a utilização dos meios mecânicos entretanto adquiridos (potentes camiões e pás mecânicas) ainda a par de algum trabalho manual.

A exposição ficará patente até ao final do ano, como complemento da exposição permanente deste museu, no seguinte horário: de Terça a Domingo, das 10.00h - 12.30h e das 14.00h às 18.00h (horário de Verão). A entrada nesta exposição é gratuita.

Contamos com a vossa presença e a melhor divulgação deste evento.

segunda-feira, 5 de julho de 2010

ERIH Annual Conference 2010 - 27 e 28 de Outubro

ERIH Annual Conference 2010 - 27th to 29th October 2010 in Barcelona, Spain

"INDUSTRIAL HERITAGE TOURISM - EXAMPLES OF BEST PRACTICE"

FIRST ANNOUNCEMENT AND CALL FOR PAPERS


We are currently planning the 2010 ERIH Annual Conference which this year will take place in one of our Spanish Anchor Points, the Museu Nacional de la Ciéncia i de la Tècnica de Catalunya (mNACTEC) in Terrassa near Barcelona.

The subject of this year’s Conference will be “Industrial Heritage Tourism – Examples of Best Practice". The aim of the event is to increase awareness of the wide range of activity and good practice that is taking place in this field across Europe. As the Conference is being organised jointly with the TICCIH Industrial Heritage Tourism Section it will also feature examples of good practice from across the world.

INDUSTRIAL HERITAGE TOURISM - EXAMPLES OF BEST PRACTICE

ERIH Annual Conference 2010
27th to 29th October 2010, Barcelona, Spain

VENUE
ERIH Anchor Point
Museu Nacional de la Ciéncia i de la Tècnica de Catalunya (mNACTEC)
Rambla d’Ègara 270
08221 Terrassa,
Catalunya
Spain
www.mnactec.com

PROVISIONAL PROGRAMME

Wednesday, 27th October 2010

Delegates’ arrivals
21:00 Individual meeting for dinner (not included in conference fee)

Thursday, 28th October 2010

8:45 Registration and coffee
9:00 – 11:00 Presentations
11:00 – 11:30 Coffee break
11:30 – 13:00 Presentations
13:00 – 14:30 Lunch Break
14:30 – 16:00 Presentations
16:00 – 18:00 General Assembly of ERIH European Route of Industrial Heritage e.V.
(ERIH Members only) – other delegates (TICCIH members) can go on a
guided tour in Terrassa
18:00 – 20:00 Assembly of TICCIH Tourism Section (TCCIH members only) –
ERIH members can go on a guided tour in Terrassa
21:00 Dinner

Friday, 29th October 2010

09:00 – 16:00 Excursions to various museum sites around Barcelona and Terrassa.
(http://www.mnactec.cat/index.php)

Organization

The call for papers will be open until 20th August 2010 and papers should be registered by email to germany@erih.net.

Time slots for presentations will be announced in September, based on the number of papers received. It is envisaged that each time slot will be 10-15 minutes.

General registration will be open soon.

The Conference fee is 55 Euros per person for ERIH or TICCIH members(75 Euros for non-members).

The conference dates have been chosen to enable delegates to spend the weekend at Barcelona following the conference.

Further details of the event, hotels, travel details and the list of papers will be announced asap.

We look forward to welcoming you at Spain!


Dr. Meinrad Maria Grewenig
President ERIH – European Route of Industrial Heritage

ERIH Secretary General
Christiane Baum
Am Striebruch 42
40668 Meerbusch
Tel. 0049-2150-756496
Fax 0049-2150-756497
E-Mail: germany@erih.net
www.erih.net

(Divulgado por ERIH)

terça-feira, 20 de abril de 2010

Conservação da Geodiversidade

(Clique na imagem para ampliar)

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Ferreiros e Ferradores do Concelho de Moncorvo - I


Iniciamos hoje, depois de uma breve paragem, uma nova categoria neste blog - Os Ferreiros e Ferradores. Esta é uma secção que o Museu do Ferro possui já alguma informação e documentação, que tem vindo recentemente a ser tratada e compilada.

Nesta secção daremos algumas informações sobre as suas biografias, experiências de vida, trabalhos artíusticos e outra documentação relevante. Convidamos quem queira contribuir com informações ou documentos que achem relevantes sobre os ferreiros da sua terra, o possam fazer contactando o Museu do Ferro & da Região de Moncorvo, através do endereços que constam na margem direita desta página.

A imagem que trazemos hoje, diz respeito a um cabeçalho de uma factura de um ferrador da vila de Torre de Moncorvo, que data de 1948, que consta num arquivo particular. Os nossos agradecimentos ao seu proprietário - Sr. J. Lopes - pela sua informação.

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Protocolo Roteiro de Minas

Depois de vários contactos e reuniões prévias, foi celebrado no dia 28 de Agosto de 2009 um Protocolo de colaboração entre a DGEG (Direcção Geral de Geologia e Geologia) e EDM (Empresa de Desenvolvimento Mineiro), como promotores, por um lado, e a Câmara Municipal de Torre de Moncorvo e o PARM (Projecto Arqueológico da Região de Moncorvo), como entidades responsáveis pelo Museu do Ferro & da Região de Moncorvo, por outro lado, tendo em vista a colaboração das partes no sentido da concretização de um Roteiro de Minas e Pontos de interesse mineiro e geológico de Portugal, em que o Museu do Ferro deverá figurar como um dos pontos da Rota.
Ver documento: 









Para mais informações sobre esta Rota, contactar o Museu do Ferro & da Região de Moncorvo, onde os interessados poderão obter o respectivo folheto, ou então consultar o "site" respectivo: http://www.roteirodeminas.pt/

terça-feira, 15 de setembro de 2009

XI Jornadas Internacionales de Patrimonio

A Associação de Arqueologia INCUNA informa que:

"Del 23 al 27 de Septiembre de 2009 se realizarán las XI Jornadas Internacionales de Patrimonio Industrial en Gijón (Asturias), organizadas por INCUNA, con la colaboración de diversas instituciones públicas y privadas.

El tema central en esta ocasión es “Patrimonio y Arqueología de la Industria Cinematográfica”. Con la participación de ponentes internacionales y de las diferentes comunidades autónomas españolas, se impulsará una actuación de cooperación transversal y multicultural, dando ocasión a la presentación de comunicaciones sobre estos temas.

El sábado 26 de septiembre se realizará un itinerario denominado “Llanes de Cine. Ruta por el Patrimonio Industrial asturiano a través de hitos e iconos cinematográficos”. Será un itinerario que rememora un guión cinematográfico con la recreación cultural de escenarios que intuyen, sugieren y descubren los testigos cotidianos de nuestro pasado industrial, sin que falte una
evaluación del patrimonio gastronómico de la zona, y las obligadas referencias temáticas y bibliográficas al respecto de la visita guiada.

Y el domingo 27 de septiembre se recorrerán los escenarios y paisajes en los que el director asturiano Tom Fernández rodó la película “La Torre de Suso” ambientada en la cuenca minera asturiana, con visitas al poblado minero de Bustiello, explotación minera de Santa Bárbara, valle de Turón, etc.

En el marco de las Jornadas, también se desarrollarán actividades complementarias a las sesiones congresuales como la exposición “El Cine Evocado. Viaje a los objetos y espacios del 7º Arte” que traerá, por primera vez a Asturias, fondos cinematográficos de la Filmoteca Española, algunas de aquellas máquinas que fueron las primeras en cumplir el viejo sueño de captar imágenes en movimiento y también deja constancia de espacios y lugares que merecen un lugar de privilegio en nuestra memoria colectiva.

INCUNA, ASOCIACIÓN DE ARQUEOLOGÍA INDUSTRIAL “MÁXIMO FUERTES ACEVEDO”
• Por Correo Postal a: C/ La Muralla, 3 entlo. 33202 Gijón (España)
• Por Fax al: 985 319 385
• Por E-mail a: incuna@telecable.es, incuna@gmail.com
Mais informações no site do INCUNA